Encontre psicanalistas membros e membros filiados

A Sociedade

A SBPSP – Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo- é formada por um grupo de psicanalistas unidos com o propósito de promover o desenvolvimento da Psicanálise, manter seu vigor e formar futuros psicanalistas, propiciando um ambiente fértil e vivo de aprendizado e de interlocução entre seus membros e com outros campos do conhecimento e da cultura.

A SBPSP é uma sociedade filiada à IPA – International Psychoanalytical Association – desde 1951, contando hoje com 497 Membros Efetivos e Associados e 348 Membros Filiados vinculados ao Instituto de Psicanálise, o braço da SBPSP encarregado da formação de novos psicanalistas.

A história da SPBSP remonta aos idos de 1919, quando o ainda estudante de medicina, Durval Marcondes, entrou em contato com as ideias de Freud a partir de um artigo publicado por seu professor e neurologista, Franco da Rocha.

Apaixonado pela Psicanálise e empenhado na sua divulgação e transmissão no Brasil Durval Marcondes, em 1927, apenas alguns anos depois da criação da IPA por Freud, fundou a Sociedade Brasileira de Psycanalyse, a primeira da América Latina. Essa Sociedade, que reunia pessoas brilhantes e interessadas em Psicanálise, durou alguns anos e nesse período promoveu disputadas conferências sobre a Psicanálise em São Paulo.

Foi Durval Marcondes quem lançou a Revista Brasileira de Psycanalyse em 1928, uma publicação da Sociedade Brasileira de Psycanalyse, que teve uma vida breve, porém muito relevante e vem sendo publicada initerruptamente desde 1967.

Persistente em seus esforços para promover o movimento psicanalítico no Brasil, em 1936 Durval Marcondes trouxe para São Paulo Adelheid Koch, uma analista regulamentada e treinada pela IPA, que no ano seguinte a sua chegada, refugiada das turbulências provocadas pela segunda guerra, iniciou a formação dos primeiros analistas brasileiros, dentre eles Virginia Leone Bicudo e Lygia Alcântara do Amaral.

Fruto do trabalho pioneiro e incansável desses analistas, em 1943 a IPA oficializou o Grupo Psicanalítico de São Paulo, então presidido por Durval Marcondes. Na sequência deste marco importante para a Psicanálise no Brasil, precisamente no dia nove de agosto de 1951, durante o XVII Congresso Internacional realizado em Amsterdã, a IPA reconheceu e ratificou a Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo como uma de suas Sociedades componentes.

O Reconhecimento

A SBPSP se constituiu como um polo criativo e fértil de promoção e difusão do conhecimento psicanalítico, sendo reconhecida por sua destacada participação na evolução da Psicanálise, não só no Brasil como no exterior. 

Seus membros têm participação ativa no cenário nacional e internacional da Psicanálise e na vida associativa, através da FEBRAPSI – Federação Brasileira de Psicanálise -, FEPAL Federação Psicanalítica da América Latina – e da IPA – International Psychoanalytical Association.

A IPA, fundada por Freud em março de 1910, durante o congresso de Nuremberg, tem como objetivo garantir a vigência e o desenvolvimento permanente da Psicanálise como ciência, como tratamento e como profissão. Agrega psicanalistas de 33 países, tendo tido pela primeira vez um presidente brasileiro em 2005, empossado no 44º Congresso Internacional de Psicanálise no Rio de Janeiro, o primeiro a se realizar no Brasil.

A FEBRAPSI – Federação Brasileira de Psicanálise -, fundada em 6 de maio de 1967 e que sucedeu a antiga Associação Brasileira de Psicanálise, é composta pelas Sociedades Brasileiras, Grupos de Estudos e Núcleos de Psicanálise de diversos Estados brasileiros filiados à IPA. Ela tem como função congregar e integrar as organizações componentes, promovendo, difundindo e refletindo a respeito da prática da Psicanálise no Brasil.  Patrocina e promove eventos, simpósios e intercâmbio científico em vários Estados brasileiros sendo responsável inclusive pelo Congresso Brasileiro de Psicanálise, que ocorre em anos alternados, além de publicar a Revista Brasileira de Psicanálise.