Encontre psicanalistas membros e membros filiados


Um inquieto balanço

Home      Blog      felicidade      Um inquieto balanço

Ela batia palmas e sorria quando encontrava alguém que amava. Encostava os pés em seu marido quando sentia medo. Apiedava-se de si mesma quando se desvencilhava da sofrida enxaqueca. Sentia o corpo esquentar e esfriar ao mesmo tempo, sempre que se deparava com obras de Georgia O’Keeffe. Sentia alívio com o pouso do avião. Comovia-se ao ver lotes de vacina chegando na Pandemia. Impressionava-se com as plantas nascidas no deserto. Enternecia-se com as altas hospitalares. Sonhava com a sorte de sentar-se ao lado da poltrona de Caetano Veloso em um voo Rio-Salvador. Via figuras no céu. Entendia Jeneci quando dizia que era ela, a felicidade, “um rir sem perceber”. Sentia. Permitia. Descontrolava-se. Desconstruía e construía histórias e lembranças que a mantinham viva.

Em cada experiência de vida, novas vivências, às vezes boas, por vezes ruins. De dentro pra fora, de fora pra dentro, todas regadas à intuição e expressadas por gestos, ora repetitivos, ora concepções inéditas. A tal felicidade vinha para encorajar a viver. Ajudava no desafio de fazer crescer a empatia e caminhava em direção a um ato de coragem. Acontecia junto a alguém ou sozinha. Urgia com a partilha do milagre da multiplicidade, nos momentos mais comuns e inesperados.

Lia sobre a Felicidade. Que por meio dela não se cria arte, a qual surge da infelicidade. Questionava-se: “mas quem não sabe que uma é o complemento da outra?”.  Também ouvia que ser feliz é escolher o que é mais próprio para si. Que a tal felicidade precisava de licença para se fazer presente. Que acontecia em alta frequência e não era verbal. Que era possível encontrá-la na poesia, desde que fossem desobstruídas as portas das percepções. Em “As Meninas”, de Lygia Fagundes Telles, descobriu que a autora ouvia duzentas e noventa vezes a mesma música, lembrava-se de poesias, dava piruetas, sonhava, inventava e abria todos os portões e, quando percebia, a alegria já havia se instalado nela. Assim compreendia que, de caráter subjetivo, a felicidade é encontrada por cada um a seu modo. Pensava a felicidade como um sentimento contagiante, portadora de uma semente capaz de estimular a continuidade de qualquer coisa. Compreendia-a como a mais pura transmissão da verdade pessoal, como expressão viva e perene que dá sentido ao viver. Poderia manter-se inoculada e ser mais tarde liberta por experiências novas. Seria a felicidade essa semente esperando ser regada para crescer?

Em meio a tormentos, dúvidas e gratificações do cotidiano, a felicidade se apresenta. Penso que o mais significativo é vivê-la. Por ventura, lembrava-se de estar feliz, contudo a causa que a motivara, dela não se recordava. A felicidade é, sem dúvida e por essência, uma potência de emoções. Estimulada pela beleza (capturada por quem a vê), a experiência complexa de sentir-se feliz é um dos meios que colocam a mente humana em movimento. Estaria ela presente à espreita de um encontro conosco?

Esse é, declaradamente, um dos temas mais caros e ousados relacionados à existência humana, o da constante busca à impactante e visceral felicidade, vivência essa que ressoa espontaneamente de elementos que, muitas vezes, originam-se das entranhas do não sabido.

É possível notar, com frequência, o desejo de ser feliz sendo veementemente perseguido com forças dionisíacas ao longo da história. Criam-se novos sistemas para alcançar a felicidade e ela, altiva e autônoma, segue em seu funcionamento de ordem emocional complexo, porém de encaixe perfeito e simples (quando se dá). Não que ela não se afeiçoe aos investimentos das grandes conquistas humanas, creio que isso ocorra, mas sua essência é fundamentalmente simples. Ela é própria, inusitada e subjetiva. Cada pessoa é feliz a sua maneira e, acima de tudo, acredito que precisa ser aceita e considerada por quem a sente. Pode ser que sua cara conquista seja marcada por sua característica instável e seu espírito inquieto. Experimentar a felicidade é como sentar em uma cadeira que balança. Movimenta-se a partir de seu impulso, tem tempo de espera e de cura.

A fim de tentar aproximar-se um pouco mais de tal concepção, viver o deslumbramento do amanhecer e do entardecer parece ajudar. Ambos são complementares e acontecem diariamente. Apresentam características que se mantêm e outras que se diferenciam com o passar das estações do ano ou dos lugares em que ocorrem. Os dois nos estão sempre disponíveis e, aos que desejam contemplá-los, é preciso saber que lá devem estar no horário exato. Eles duram apenas o tempo necessário, sempre com o mesmo efeito de encantamento. Será esse um bom modelo para falar de felicidade?

 

Rejane Maria Ganzarolli Lopes é psicóloga clínica e psicanalista, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Imagem: Aquarela, de Rejane Maria Ganzarolli Lopes

*Uma versão deste artigo foi publicada na Veja SP, confira aqui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *