Encontre psicanalistas membros e membros filiados


Missão do corpo

Home      Blog      corpo e psique      Missão do corpo

Este título não é meu, ouso pedir licença ao nosso grande poeta Carlos Drummond de Andrade, que o deixou, entre outras poesias, para publicação póstuma: Farwell.

O grande poeta na reta final da vida, reúne de modo mais convincente, suas vivências e percepções corporais e as transforma em poesia. Creio que após os sessenta anos, o corpo volta a se impor de modo cada vez mais evidente. Limitações, inúmeras transformações, dos órgãos, da aparência. O corpo nos remete ao desamparo e necessidade de cuidados quase como quando éramos bebês.

Mas essa descrição caberia num percurso de vida natural e sem intercorrências marcantes. Não é o que vivenciamos há um ano, uma pandemia, o coronavírus. Além de atingir o mundo inteiro, é atemporal. Corpos com qualquer idade são assaltados pelo coronavírus que num afã destrutivo, rapidamente pode destruir qualquer corpo, de toda idade e levá-lo à morte.  Diga-se de passagem, morte difícil, dolorosa, por sufocação, pulmões que se cristalizam e perdem sua condição de expansão! Falência cardiorrespiratória! Mas observamos que a luta pela sobrevivência empreende grandes esforços.  Dias de UTI, tubos na traqueia, veias, bexiga, enormes doses de corticóides, analgésicos, anestésicos, rebaixamento ao nível inconsciente para suportar as dores e os desconfortos, e tentar se salvar da invasão do inimigo cruel.  A enorme destrutividade contida num diâmetro de 40 nanômetros!

Convivemos com psicanalistas relutantes em aceitar que o corpo faz parte de nossa estrutura psíquica. Embora Freud, em “O ego e o id” de 1924, já apontasse para a existência de um ego corporal. Aprofundou as relações entre as instâncias psíquicas e as profundezas do soma em 1933, na monumental conferência “A dissecção da realidade psíquica.” Segundo Freud, “o id tem em um dos seus extremos as influências somáticas”, e que o ego e o superego, por sua vez, estejam enraizados no Id.  Assim sendo, o aparelho psíquico encontra-se enraizado no soma.

Porém, muitos o admitem como abrigo do funcionamento psíquico arcaico. Provavelmente, a psicanálise infantil foi quem abriu as portas para que o corpo fosse notado, embora não fosse esse seu objetivo. Na década dos anos 1960 em Paris, Pierre Marty e colegas psicanalistas, que atendiam como clínicos em hospitais gerais, observaram em muitos pacientes que apresentavam patologias somáticas, um tipo característico de pensamento e de empobrecimento afetivo, que denominaram pensamento operatório e depressão essencial. Desde aí foi fundada em Paris a atual escola de psicossomática psicanalítica Pierre Marty. O fundamental desta abordagem é considerar corpo e mente unidos, como partes de um mesmo território, ao contrário da teoria cartesiana, que domina o ponto de vista médico e de outras ciências, que considera corpo e mente como dois territórios diferentes que se influenciam.

Para a medicina e outras ciências, o corpo é formado por complexos aparelhos e funcionamentos que sustentam a vida, mas caso sejam danificados, podem levar a graves consequências, até a morte. A partir desse enfoque, as questões psíquicas não são consideradas como possíveis causas de sérias doenças corporais.

Portanto, podemos concluir que é no corpo que os alicerces da vida psíquica se encontram, no qual se assentam as inscrições pré-verbais, formadas pelos estímulos recebidos dos nossos sentidos, principalmente visuais e auditivos. Além desses sentidos temos terminações proprioceptivas distribuídas no maior órgão do corpo humano: a pele que nos envolve.  Tudo que nos atinge deixa impresso sua marca, nos tempos mais iniciais da vida e por que não dizer, até mesmo na vida intrauterina. No desenvolvimento psíquico essas inscrições ou marcas são chamadas representações coisa. Expressam-se como imagens, sons, sem palavras nas fantasias, nos sonhos, nos devaneios. Mas ao receberem um nome se transformarão em representações palavra, que são os elementos utilizados na construção dos pensamentos. Formam as redes representacionais que nos permitem tecer associação de ideias e elaborar pensamentos dos mais simples aos mais complexos.

Outra questão fundamental para a formação do aparelho psíquico  é a relação do bebê com o ambiente, ou melhor dizendo, com a figura materna ou com quem exerça essa função. A pessoa que cuida do bebê influencia seu esperado desenvolvimento psíquico, se puder exercer a “função materna”. A função materna, além de prover a alimentação, funciona como um escudo protetor, protegendo o bebê do grande montante de estímulos internos e externos que o atingem. A função materna digere e organiza os estímulos, para depois devolvê-los ao bebê, que pode então recebê-los e contê-los.

É no corpo a corpo mãe-bebê, nos seus braços, no seu colo, olhos nos olhos, nas carícias, no aconchego, nas palavras sussurradas pela mãe, que o bebê encontra conforto, calma e aconchego repetidos. Esse aspecto da função materna é chamado de libidinização do corpo do bebê, a qual o imanta com alto grau de investimento afetivo materno. A função materna proporciona vários acréscimos ao corpo somático, transformando-o em um corpo com energia vital, a energia pulsional. A vida pulsional é uma mescla ligada de forças de vida e forças de morte, que colabora no percurso pelas diversas etapas do desenvolvimento. Assim, alcança sua subjetividade e consegue galgar o ápice do desenvolvimento, da construção mais sofisticada do ser humano: a vida psíquica.

Nos primórdios da vida, para o bebê, a mãe e ele são uma mesma pessoa, ela faz parte dele, não é outra pessoa, mas ele próprio. O investimento afetivo da mãe no bebê é responsável pela organização das forças internas, dos instintos de vida e de morte que se ligam e são fonte de energia vital. O tolerável jogo presença/ausência materna, lança no bebê os alicerces da capacidade de sonhar, por meio da realização alucinatória do desejo, que cria o peito na mente do bebê enquanto ele não chega. O encontro do peito alucinado com o peito real gera no bebê a fantasia de que o peito é criação dele.   E a constatação de que a mãe é um outro ocorre graças à possibilidade de colocar dentro de si quem se encontrava fora. Poder transferir da realidade externa para a realidade interna a presença materna.

O interessante é pensar que o corpo que nasce somático, regido por aparelhos e funções, nasce carne e sobrevive graças à manutenção saudável de seus complexos funcionamentos. Mas, é graças ao vínculo afetivo com a mãe, que os arcabouços psíquicos se inserem e se enraízam no corpo, constituindo o funcionamento mental arcaico. A construção do aparelho psíquico se dá como uma construção gradual que atravessa etapas cada vez mais elaboradas, apoiada a par e passo com os processos orgânicos, mas que, principalmente, depende do encontro fundamental com o outro.

A presença do outro é essencial durante toda a vida. Por meio de um processo sofisticado e que leva tempo, o bebê consegue pouco a pouco se dar conta que ele e a mãe são diferentes, são duas pessoas. A constituição da subjetividade, do se tornar si mesmo, é impulsionado pelas aquisições advindas do complexo desenvolvimento corporal, mas depende fundamentalmente da saudável estruturação psíquica, dos avatares do encontro com o outro e da firmeza do vínculo afetivo significativo. É impulsionado pelo esforço que as forças de vida derivadas dos instintos e das pulsões lhe impõe. Viver é a regra. Ser impulsionado para estruturas cada vez mais complexas é a norma.

É por isso que o corpo da psicanálise não se trata do corpo somático em si, mas dele deriva, é formado por aquisições afetivas sofisticadas que constroem o aparelho psíquico. Portanto, se trata de algo diferente e mais complexo do que o corpo somático em si mesmo. Vai além da carne. Atinge a alma. É um corpo dotado de emoções, afetos, brilho, de capacidade de pensar, de sonhar, de amar. É um corpo libidinal, narcísico, pulsional. Somos seres humanos que habitamos em nossos próprios corpos e enfrentamos o desafio de viver todas as possibilidades. Seres capazes de transformar as provas, as frustrações e as dores em desafios; embora muitas vezes tropeçamos e caiamos, podemos nos levantar enriquecidos pela experiência. 

Vamos agora nos enebriar na inspiração poética criada por Carlos Drummond de Andrade sobre o corpo.

Missão do corpo

Claro que o corpo não é feito só para sofrer,
mas para sofrer e gozar.
Na inocência do sofrimento
como na inocência do gozo,
o corpo se realiza, vulnerável
e solene.
Salve, meu corpo, minha estrutura de viver
e de cumprir os ritos do existir!
Amo tuas imperfeições e maravilhas,
amo-as com gratidão, pena e raiva  intercadentes.
Em ti me sinto dividido, campo de batalha
sem vitória para nenhum lado
e sofro e sou feliz
na medida do que acaso me ofereças.
Será mesmo acaso,
será lei divina ou dragonária
que me parte e reparte em pedacinhos?
Meu corpo, minha dor,
meu prazer e transcendência,
és afinal meu ser inteiro e único.

Victoria Regina Béjar é médica psiquiatra e psicanalista. Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo. Representante Latino Americana do grupo de adições da Associação Psicanalítica Internacional (IPA). Coordenadora do Núcleo Psicanalítico de Atibaia e região. 

Imagem: Pablo Picasso – Nu azul (1902)



Comentários

One reply on “Missão do corpo”

Alaide Penaquio disse:

Texto maravilhoso! Muito obrigada por compartilhar tanta sabedoria e sensibilidade

mais comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *